Massagem - Conheça sua história

Massagem – Conheça sua história

Usada na China desde 1700 a.C. Os egípcios, budistas e japoneses também a usavam no tratamento de diversas doenças e lesões; e a massagem continuou a ser parte primordial do tratamento médico até depois do quarto século d.C. Hipócrates tinha a massagem como uma ferramenta terapêutica bastante importante; Asclepíedes, famoso médico grego, teve grande influência no desenvolvimento da massagem. Ele afirmava que existiam apenas três agentes terapêuticos: a hidroterapia, os exercícios das técnicas e a fricção. Galeno, escreveu aproximadamente 16 livros ligados ao exercício da massagem. Os gregos utilizavam nos atletas tanto antes como depois de um evento esportivo.

No tempo da Idade Média, pouquíssimo se escreveu sobre massagem até que Pare, da França, durante o século XVI publicou uma literatura sobre fricções junto com sua própria aplicação para pacientes cirúrgicos. Seu trabalho foi reconhecido e a terminologia francesa para as técnicas específicas de massagem são utilizadas até hoje.
Durante três séculos espalhou-se por diversos países, mas a contribuição mais importante foi de Per Henrik Ling, da Suécia, que em 1814 foi credenciado com o estabelecimento do Central Royal Institute of Gymnastics em Estocolmo. Acima de tudo, ele organizou a massagem e os exercícios terapêuticos num sistema que se tornou bastante conhecido como ginástica médica. Seguidores de Ling continuaram seu trabalho e por volta de 1850 haviam vários institutos parecidos na Inglaterra, França, Alemanha e Rússia.

egípcios sentados fazendo Massagem um no outro

Sua História

Na virada do século, a massagem começou a ser praticada nos EUA, devido a escritos e influência de Douglas Grahm, médico de Boston, e John Kellogg. Durante os próximos 40 anos, diversas novas abordagens foram identificadas no mundo ocidental. Tanto Mennell, como Cyriax, na Inglaterra, utilizavam uma aplicação específica de massagem com fricção forte para estruturas articulares mais profundas contráteis e não contráteis lesadas, em condições agudas como também crônicas. Esse método tem se tornado muito popular nos Estados Unidos nos últimos anos.

O desenvolvimento de técnicas específicas tem acontecido também na Alemanha. Dicke descobriu que a massagem profunda em uma região do corpo poderia trazer efeitos benéficos, distantes da região que estava sendo tratada. Por isso, Ela nomeou esse fenômeno de massagem de zona reflexa “conhecida como massagem do tecido conjuntivo”. Esse tipo de massagem aplica palpação leve e profunda para avaliar e tratar regiões de espessamento muscular ou de tecido conectivo que podem estar na mesma distribuição segmentar da região de disfunção de estruturas periféricas ou viscerais.

O trabalho de Dicke nessa área é a base, para o que nós conhecemos como mobilização de tecidos moles e técnica de liberação miofascial. Variação da massagem de zona reflexa foi também descrita por outro médico alemão, Cornelius, aplicando pressão profunda em regiões específicos, chamado de massagem em pontos nervosos. Essa pode ser a primeira vez que um tratamento oriental de acupressura, foi descrito na literatura médica ocidental.

terapeuta aplicando Massagem em mulher deitadas na cama

Efeitos da Massagem

A massagem é considerada o mais antigo e simples de todos os tratamentos médicos. Em culturas tradicionais, principalmente no Oriente, a massagem é aceita de maneira tão natural que pessoas de todas as idades se beneficiam com massagens regularmente. Depois disso, no Ocidente, embora seu valor tenha sido sempre reconhecido nos esportes, somente recentemente seu uso se estendeu para outros campos. Massagem não é somente um ato físico, mas também psicológico.

A massagem pode estimular ou acalmar, depende da velocidade e intensidade de seus movimentos. É por essa razão que a massagem pode fazer com que uma pessoa se sinta alerta e preparada para correr numa maratona, por exemplo, ou descansada e sonolenta. Ela alivia as tensões, elimina dores de cabeça, relaxa músculos tensos e doloridos e acaba com a insônia. A massagem ainda pode criar condições para a recuperação, ao induzir uma sensação de bem-estar.

A massagem pode ser um meio de contrabalançar as tensões do trabalho e as pressões domésticas. Para um grande numero de pessoas, rigidez e dor é um modo de vida ao qual se habituaram e, com freqüência, é depois que fazem ou recebem uma massagem que percebem a tensão em seus músculos, ou descobre o quanto de sua energia é consumida pela tensão. A massagem é uma viagem de autodescoberta, revelando como é vivenciar o prazer de um corpo que pode respirar prosseguir e movimentar-se livremente.

Durante milhares de anos, alguma forma de massagem, ou de superposição de mãos, tem sido utilizada com o objetivo de curar e aliviar os enfermos. Para os antigos médicos gregos e romanos, a massagem era um dos principais meios de curar e aliviar a dor.

A Linguagem do Contato

Deixe-me massagear um pouco, que logo vai melhorar.
Além talvez do abraço de duas pessoas, gesto de amizade, ou de transmissão de nossa felicidade e alegria, não nos teremos desviado de nossos instintos ao reservar a linguagem do tato somente para os gemidos de dor e tristeza ou para o momento do sexo? Não teríamos medo do contato que signifique somente afeição, ou um modo de relaxar ou curar?


O certo é que o receptor não precise remover as partes intimas, ou tenha o mínimo de roupas possível, mas sempre respeitamos os desejos das pessoas, caso se sintam melhor vestidas. Após você se sentar ou deitar, deixe-se fundir totalmente na área do seu corpo que está sendo trabalhada. Feche os olhos e preste atenção na sua respiração e as regiões do seu corpo que se movimentam quando você inspira ou expira. Procure se livrar de toda preocupação ou problemas que estejam em sua mente. Ao sentir as mãos do massoterapeuta, seja receptivo e se concentre nas sensações geradas pelo contato do doador.

Deixe que seus membros sejam erguidos e mobilizados pelo doador, rendendo-se, ao invés de tentar ajudar. Deixe o doador saber se você estiver gostando em especial de algum movimento, ou se você acha que a pressão esta forte demais, mas fora isso, procure não falar. A massagem envolve sistematicamente o alisamento, amassamento e pressão dos tecidos macios do corpo, para que um estado de total relaxamento seja gerado. O receptor fica nu, de calcinha ou cueca, e usamos óleos para lubrificar a pele. Ela opera especialmente nos músculos, ligamentos e tendões, e atua sobretudo no equilíbrio dos líquidos.

Recebendo a Massagem

Uma boa massagem vai afetá-lo em todos os níveis do seu ser. Fisicamente, seus benefícios são o relaxamento e tonificação muscular; o estímulo ao fluxo venoso do sangue; aumento do nível de hemoglobina; incentivo ao fluxo linfático; e alongamento do tecido conjuntivo das articulações. A massagem holística também atua nos centros de energia, ou chakras do corpo. Mentalmente falando, a massagem não somente alivia o estresse e a ansiedade, como também ajuda a tornar-se mais consciente do seu corpo como um todo, de partes com que você entra em contato, e das que são notadas como excluídas, por exemplo.

Ao perceber onde se situam seus bloqueios de energia, poderá se iniciar a tentativa de integração do seu corpo e, ao ser desenvolvida uma auto-imagem positiva, poderá assumir a responsabilidade por sua própria felicidade e saúde. Por isso, uma massagem bem feita cria sensações de bem-estar, confiança e alegria. Libera muita energia, até então desperdiçada nas tensões. A massagem, ao transformar hábitos crônicos de ação e reação, também cria uma mudança grande na postura e na expressão facial, por exemplo.

O aspecto emocional é primordial. No nível espiritual, é difícil descrever os benefícios da massagem, porque estamos falando de algo que é muito indefinível. Em outras palavras, a essência, força vital, o todo que é superior à soma de suas partes. Em conclusão, é bem comum, que tanto o doador como o receptor atinjam um estado de maior percepção, de presença no momento, muito parecida à experiência da meditação.

https://siteantigo.portaleducacao.com.br/conteudo/artigos/conteudo/historia/13400